A água sempre esteve presente em atividades da agricultura e pecuária, permitindo ao homem se estabelecer em comunidades fixas para produzir o próprio alimento. O recurso foi e é tão primordial que as primeiras civilizações se desenvolveram próximas de bordas de rios e córregos. Hoje, a agricultura é o setor que mais utiliza água no mundo — em torno de 70%, e esse percentual pode chegar a 80% nos países mais desenvolvidos.

Além do consumo puro para a sobrevivência de todos os seres vivos, a água é utilizada na produção de culturas para consumo humano e também na produção de pasto e matéria-prima para ração de animais. Dessa forma, o líquido é diretamente responsável pela vida na Terra: hidrata e garante a produção de alimentos de origem vegetal e animal. Com tanta água necessária, podemos ter uma noção do impacto que a falta ou a má qualidade desse recurso causaria na agricultura e na saúde humana.

O benefício das práticas sustentáveis no uso da água

Em algumas regiões, a falta de água força os produtores a desenvolverem tecnologias cada vez mais avançadas para captação, uso e reserva de água. A falta do líquido é capaz de destruir lavouras e até ecossistemas inteiros, além de dificultar a vida de muita gente — fato que já ocorre em muitos povoados e cidades. Com o aumento da população e o conforto exigido pela sociedade moderna, estamos sujeitos a enfrentar uma crise hídrica no planeta. Por isso, cada vez mais, a água deve ser usada de maneira racional e sem desperdício, em todos os setores.

Para enfrentar o problema da alta demanda, torna-se necessária a adoção de práticas mais sustentáveis de uso da água. Na agricultura familiar, os produtores podem se beneficiar com sistemas de cisternas para captação da água da chuva e seu reaproveitamento nas plantações. Na agricultura convencional, os sistemas de irrigação que otimizam a distribuição da água sem desperdício são promessa de consumo mais consciente e responsável. Perto das nascentes e áreas abertas, o plantio de árvores, arbustos e forrações oferece maior cobertura vegetal ao solo, evitando a erosão e mantendo a terra úmida por mais tempo.

O valor da preservação dos córregos e nascentes

Todos os setores do mercado e a população devem banir as práticas que poluem os rios, suas nascentes e fontes. Afinal, o recurso é a base que dá o sustento da vida de todos os seres vivos. Nas grandes cidades, os córregos costumam ser tratados como depósito e transporte de lixo e esgoto, ao passo que muitas indústrias desembocam resíduos tóxicos e poluentes na água de maneira irregular e frequente.

Na agricultura, o desmatamento para aumentar a produção contribui com a perda da cobertura e fertilidade do solo, além de causar erosão na beira dos rios. Além disso, os agrotóxicos utilizados em excesso e sem controle nas culturas contaminam a água superficial e a subterrânea, tornando-as perigosas para o consumo humano. Atualmente, já existem empresas que oferecem soluções em biotecnologia para reduzir a utilização de insumos químicos e aumentar a produtividade de forma mais saudável e segura. Conheça mais sobre essa inovadora linha de biofertilizantes.